Páginas

sábado, 5 de março de 2011

Ciume

       http://swasthya.marcocarvalho.com/wp-content/2009/03/ciumes.jpg

Ah! O ciúme! Quem nunca foi vítima desse sentimento?
Há quem tem ciume, quem "morre" de ciume, quem é obsessivo de ciúme e quem é vítima do enciumado, nos três tipo deles. 
Ciúme é um sentimento natural do homem, revela sua fragilidade e debilidade  perante o outro.
Como seres capazes de ter raiva, ódio, amor, saudade, inveja, alegria, tristeza, dor, solidão, medo, desejo, carinho, ternura, solidariedade e por ai... somos também vulneráveis ao ciúme.
Isso, não faz de nós nem piores nem melhores, apenas revela o humano que somos.
Portanto, sentir ciúme não é problema nenhum, o problema é como você lida com ele.
Há quem sinta ciúme de objetos pessoais e simbólicos, é tão apegado às suas coisas que não sente confortável em emprestar e ou doá-los. Estes e outros demonstram, ainda, apego excessivo aos amigos, se sentindo, assim cono nas coisas, dono dos amigos. 
Dessa forma, a fidelidade aqui exigida passa ter um tom de exclusividade!! 
Na relação afetivo/sexual a mesma coisa, de insegurança ao sentimento de posse do outro e a relação torna se amarga e "pesada" de se conduzir.
Sentir ciúme não é, ao meu ver, uma escolha, escolho o que faço com ele, nunca quando e com quem sentí-lo. 
Há pessoas que se deixam levar pelos impulsos do sentido e fazem "barracos", se mutilam, magoam o outro, se anulam para viver o desejo e a suposta vontade do outro. 
E a "ameaça" começará a existir em todos os lugares, em todas as pessoas. A vigia é constante, a angustia é destrutiva. 
É, por fim, a falta de confiança em si e no outro.Em casos contínuos o sentimento de baixa auto-estima se aprofunda, a falta ou o apetite exagerado se manifesta. 
Não tenho uma regra, acho que ninguém tenha uma para lidar com o ciúme, creio que cada um deve lidar da maneira que consegue para buscar o bem estar. 
Penso, porém, que seja preciso, primeiramente, reconhecer-se e assumir como um ser em condição de ter ciúme, negar, é o pior caminho. 
Ao se sentir numa, possível, situação"ameaçadora" a primeira coisa é o questionamento próprio, " é isso mesmo que estou pensando, é isto elevado ao meu ciúme, ou é só o meu ciúme?". 
Não quero fazer uma apologia de que as ameaças não existem, há realmente gente que não terá cuidado com sua blusa favorita, seu parceir@ pode realmente esta tentado ou sendo tentado por outr@s, contudo, aqui é outra situação, requer atitudes sensatas e honestas e às vezes inquisitivas, primeiramente consigo mesmo. 
Nunca podemos perder de vista o que queremos, realmente, para nós, e o real não é, nem deve ser, necessariamente, o perfeito. 
O real é a busca do belo, e não se discute perfeição no belo.
Ciúme é medo de perder o outro. Como se o o outro posse passível de pertença, o outro será sempre passível e possível de confiança, conquista. 
Transformar esse medo de perda, em conquista é o grande desafio. A conquista que começa em nós mesmos. 
O outro pode me completar, nunca retirar a falta que há mim. Somos um ser em falta. E a falta não é do outro, é falta de nós mesmo. 
A propósito, você já sentiu ciúme de você mesmo?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...