Páginas

sábado, 11 de junho de 2011

Porque temos vergonha de nossas tristezas?


Demonstrar fraqueza para muitas pessoas pode ser algo muito penoso. Revelar que não estão dando conta de suportar suas fantasias, os medos, as incertezas, as faltas (sentimentos, geralmente, atribuídos aos fracos) são para estas pessoas algo tão difícil de expressar como é doloroso sentí-los. Por isso, inventam mil formas  de uma alegria disfarçada ou inúmeros argumentos com os quais pensam justificar essa angústia.

Isso é muito comum na nossa sociedade que não sabe conviver com o sofrimento, com a tristeza, com a falta. Felicidade, às vezes, parece uma obrigação. Martha Medeiros em seu texto A tristeza permitida fala justamente da intolerância social em relação a tristeza:
 "Se eu disser pra você que hoje acordei triste, que foi difícil sair da cama mesmo sabendo que o sol estava se exibindo lá fora e o céu convidava para a farra de viver...o que você me diz?...Você vai dizer “te anima” e me recomendar um antidepressivo, ou vai dizer que tem gente vivendo coisas muito mais graves do que eu....Você vai fazer isso porque gosta de mim, mas também porque é mais um que não tolera a tristeza: nem a minha, nem a sua, nem a de ninguém..."
Exatamente por isso é tão difícil falar do que julgamos ser nossas fraquezas, parece que a sociedade é dos fortes. E que fortes são estes, que ideal de felicidade é esse que permeia em nós?

Daí, parece que vai virando uma bola gigante de projeções, você se envergonha de estar sofrendo, se cobra a felicidade que acredita que o outro tem, mas, ao menor vacilo do sujeito "feliz" já será o suficiente para que você diga a si mesmo: "de que adianta ter 'isso tudo' e  não ser feliz?" Como se a felicidade se resumisse no ter (ter um (a) companheiro (a), ter dinheiro, ter uma casa, ter filhos, ter muitos amigos). A gente faz ao outro o que fazem com nós, porque buscamos a felicidade sempre fora, enquanto que sufocamos a tristeza.

A questão que a tristeza quanto a felicidade moram num mesmo lugar: dentro de nós, não fora. E não necessariamente se opõem.

Assim, nossa felicidade não pode ser medida pelo outro, nem mesmo a angustia.
"Tem dias que não estamos pra samba, pra rock, pra hip-hop, e nem pra isso devemos buscar pílulas mágicas para camuflar nossa introspecção, nem aceitar convites para festas em que nada temos para brindar. Que nos deixem quietos, que quietude é armazenamento de força e sabedoria, daqui a pouco a gente volta, a gente sempre volta, anunciando o fim de mais uma dor – até que venha a próxima, normais que somos." (Martha Medeiros)
-------------
Nana Andrade

13 comentários:

  1. Olá Nana, gostei muito do seu Blog, parabéns! Seu trabalho está ficando muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Oi Aline, obrigada pela visita. Volte sempre!

    ResponderExcluir
  3. Nana parabéns pelo blog, está lindo!!

    ResponderExcluir
  4. Seu texto veio a calhar, estou meio deprê estes dias.kkkk

    ResponderExcluir
  5. Olá, fico contente que o texto contribuiu de alguma forma..volte sempre!!!

    ResponderExcluir
  6. Mais difícil do que admitir para os outros as nossas fraquezas, é admitir para nós mesmos. Não é fácil revelar nossos medos e nossas angustias, não é fácil encarar o espelho e admitir o nosso fracasso, e se isto já é um processo difícil, imagine falar para o outro, outra cabeça, outra opinião, outras criticas, e o pior que as vezes nem a gente mesmo se entende, pois tem hora que a gente só que falar, simplesmente queremos um ouvido emprestado e um silencio como resposta, outrora a gente quer um opinião, mas a gente não quer qualquer opinião, a gente que aquela que a gente quer ouvir,mas que nem sempre é que a gente precisa. Complicado não?
    "O mundo tem pressa." Hoje em dia é um corre corre, que ninguém tem tempo para mais nada, nem pra um prosa direito, muitas vezes as pessoas não tem paciência com aquelas que desabafam as suas angustias, tem hora que não entendem e assim vai, mas também tem aqueles que te escuta e também procura ajudar da melhor maneira possível, e vai dar a sua opinião e que vai falar que com todo mundo é assim mesmo e que isto vai passar, e que talvez na hora você pode ate não entender, mas que depois você vai ver que ela tinha razão.

    ResponderExcluir
  7. Têm dias que bate uma tristeza, uma incerteza, uma espécie de melancolia. Você acha que tudo está errado, que nada dá certo. Aí aparece um sentimento de impotência, de inércia e de solidão.
    São dias de marasmo e de monotonia, onde nada acontece. É tudo sempre igual e rotineiro. Dá vontade de chorar, de fugir pra qualquer lugar onde não conheça ninguém, onde não me lembre de nada, onde eu "delete" os problemas e onde eu viva só de alegrias.
    Mas ainda bem que são apenas alguns dias, alguns momentos; Depois você entende que é impossível fugir, é impossível viver só de alegrias e que não dá pra se conformar com o pouco e é preciso viver e buscar o muito da vida. É deixar que a melancolia entre na nossa vida só por instantes, a fim de mostrar que é preciso melhorar, é preciso correr atrás e que ainda há muito mais a se fazer.

    ResponderExcluir
  8. " eu te escuto, mas me perdoa sem tem hora por não te entender, pela falta de paciência, ou se não tiver tempo para você.
    perdoa amigo, mas tem hora que também tem a minha dor, afinal, você não é o único a ter problemas, todos temos, e o que é igual se torna diferente, é o que é diferente se torna igual, entendeu? Nem eu!
    tem hora que a gente esculta, e nós seres humanos falhos que somos tem hora que não temos mesmo tolerancia com a tristeza, nem as nossas nem as suas. errado? depende da situaçao de cada um. Nada é errado antes de analisar a situaçao pra descobrir o que realmente aconteceu. Não esquece disso, mas olha não envergonha de sua tristeza, mas fala com a pessoa certa, e acredite sempre que sempre tem alguém com problemas maiores que você e que superam, mas se precisar chorar que chore e que chore muito, mas procrura dormir bem afinal o amanha é um novo dia.

    ResponderExcluir
  9. Vi e Anônimo,
    Obrigada por partilhar conosco de vossos sentimentos. Vcs, com vossos comentários, me fizeram lembrar um pensamento que me ocorreu hj o dia inteiro:
    Qual a função deste Blog?
    Daí, as palavras que me vieram em mente foram:
    Resistência e incomodo.
    Resistência a tudo que rotula; a tudo que me diga o que e como fazer, ainda que o fim seja "bom"; resitência a tudo que me aliena, me tirando de mim.
    Porém, resistir é encarar o incômodo, é se inqueitar.

    Vcs me fizeram lembrar, ainda, de um trecho de um capítulo de livro que li hj: "Nã mais sentir vergonha de si mesmo é a realização da liberdade"
    Mas isso requer um trabalho árduo e doloroso, que, às vezes, pode e deve ser buscado juntamento com um profissional da área.

    Enfim..agradeço a visita voltem sempre...

    ResponderExcluir
  10. Amanda,
    Obrigada pela visita.
    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo Blog fiquei até com vergonha do meu, ve se me da umas dica de como vc faz algumas coisas ai abraço prima e manda um abraço para sua mãe e irmãos.
    Carlos Eduardo.ve se visite meu Blog também

    ResponderExcluir
  12. Nana querida, a forma argumentativa na qual você faz o seu discurso é excelente. As palavras nos carregam pelo braço e nos faz circular entre a simplicidade e a veracidade de cada vírgula e traço.
    Você tem o 'poder' de manipular as palavras e depois se deixar levar por elas, como numa dança improvisada que todos acham ter sido ensaiada a anos.
    Infelizmente eu não tenho muito tempo para comentar nos blogs, minha vida é um tanto corrida, mas sempre que eu puder estarei passando por aqui. Seu carinho é mesmo gratificante.

    Sobre a segurança que eu coloquei no meu blog você encontra nesse site:
    http://ferramentasparablogger.blogspot.com/2009/04/bloquear-teclado-e-botao-direito.html

    Beijos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...