Páginas

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Cativar, cativar, o que é isso?




"O Pequeno Príncipe" é um dos meus livros favoritos, li e reli-o várias vezes, gosto principalmente da conversa dele com a raposa, que entendo ser o ápice do livro, mas a frase que todos mais gostam, ou, pelo menos, a mais famosa é a que mais me incomoda: "Tu te torna eternamente responsável por aquilo que cativas".

O problema dela, em minha opinião, reside em duas palavras, que juntas tem um peso muito grande quando direcionadas ao outro, eternamente e responsável.

Já vi inúmeras pessoas se sacrificando para agradar ou para cuidar de alguém, seja em relacionamentos afetivos, com amigos ou colegas de trabalho. Já vi gente ser criticada por ter posto fim nessas relações  e, supostamente, feito o outro sofrer, já vi, também, gente se abdicar de sua felicidade pra fazer "feliz" o outro. E isso cai como luvas pra estas pessoas, seja para justificar o sacrifício, seja para manter o "responsável" perto.

No que se refere a esta frase, temos em português a palavra "cativar" que tem o sentido de manter cativo, prender.
Em francês "apprivoiser", e em italiano "addomesticare", em ambas as línguas têm também o sentido de cativar, e, traduzindo ao pé da letra, domesticar. 
Convenhamos que, ali, era um animal falando a uma pessoa.

E, de fato, uma vez domesticado um animal selvagem ele dificilmente se habituará a viver como antes vivia, requer sim uma ação eterna de responsabilidade do outro. Porém, não somos animais selvagens, somos responsáveis por nossas escolhas e decisões, por isso, se queres ser meu amigo, também te peço que me cative, mas não te obrigues a ser eternamente responsável por mim.

--------------
Nana Andrade


18 comentários:

  1. Na verdade não li o livro do pequeno príncipe, mas penso o seguinte, sim somos responsável por o que cativamos, mas no sentido de procurar ser sincero com as pessoas que criamos laços, ser leal,ser amigo, mas não necessariamente de fazer tudo pela pessoa, mesmo que queremos,não vamos conseguir agradar uma pessoa o tempo inteiro.

    ResponderExcluir
  2. Viviane,
    Mais uma vez obrigada pela visita, recomendo que leia o livro, é um clássico belíssimo!

    O que eu estou discordando não é da responsabilidade, conforme eu afirmei acima, meu receio é do peso que as palavras eternamente e responsável, qd juntas, exercem. Que ótimo se isso acontecer, a questão a que me refiro é que as pessoas se volta a esta frase e se tornam passiva nessa responsabilidade que é delas tb.
    Amor, amizade é uma entrega, vc se deixa cativar, mas é tão responsável qt o outro, assim o que os devem manter unidos é o afeto, que por sinal atrai a si a responsabilidade, neste sentido que vc disse. Agora a eternidade desse sentimento, ninguém pode prometer, ninguém pode exigir, deve-se conquistar!

    Um grande beijo, esta é minha opinião, aqui é o espaço para se discutir, portanto, se não concordares, por favor, expresse-se...vamos ver os fatos de todos os ângulos que conseguirmos!!!

    ResponderExcluir
  3. O melhor post que já li aqui, Nanoca...Vc não tem ideia do quanto me fez pensar hoje!SAUDADE!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lu, que bom!!
    Pois é e saber que teve um empurrão seu este post de hoje?

    Beijos, saudades tb dona!

    Nanoca!! rs*

    ResponderExcluir
  5. Nana,
    Eu gosto muito desse livro, mas concordo com você.
    Um beijo
    Denise

    ResponderExcluir
  6. Camões, grande expressão poética, já dizia que amar “é querer estar preso por vontade” o sábio poeta já sabia que não se cativa ninguém no sentindo de prender, mas a partir de uma liberdade de escolha, querer ser cativado. A responsabilidade é de ambos “cativador” e cativado, concordo com você esta frase tem um peso muito grade.
    Que bom partilhar esta nova leitura, é sempre uma delícia ousar novos olhares.
    Pensando em outra acepção vinda do Aurélio pra cativar que é “ganhar a simpatia, a estima de, encantar” poderíamos ver mais um risco deste “eternamente”, pois o ser humano é imperfeito, olhando por este ângulo teríamos que desprezar sua incompletude e seus erros. Não conseguimos manter a simpatia e a estima para sempre ou em todos os sentidos, mudamos, e se o outro não acompanhar este crescimento não manteremos a sua estima, ou quem sabe, ele não manterá a nossa estima.
    Obrigada pela partilha. Beijos...

    ResponderExcluir
  7. Gostei!

    fantástico, e muito esclerecedor!

    Nossa, uma vez tentei explicar isto à um ex namorado que nunca entendia o que eu dizia a ele...

    Eu não gosto desta responsabilidade que as pessoas pensamso que podem colocar sobre nós...

    Muito bom e libertador o que escreveu!

    beijos em você minha querida!!!!


    Ah...em tempo: * G.P. = Garota de Programa...e entenda que o que eu escrevi láno meu OLHAR é uma grande metáfora!!! Não sou, nem nunca fui garota de programa...não tenho nada contra as que são...e se eu fosse, ou tivesse sido...todos saberiam!Rs!!!!


    Bia

    ResponderExcluir
  8. Nana,

    Eu nem sei quantas vezes comentei que acho de uma crueldade sem tamanho essa coisa de ser responsável pelo que se cativa, sendo que muitas vezes nem fazemos nada de fato pra cativar...

    Claro que "O Pequeno Príncipe" é uma obra linda e densa que não se resume só a essa passagem, mas essa frase usada da forma como é, fora do contexto, me deixa aflita.

    Ótimo texto, gostei muito!

    Um beijo.

    * Tu conseguiu experimentar as dicas que deixei sobre destacar teus comentários?

    ResponderExcluir
  9. Concordo plenamente com você. São duas palavras muito fortes, e amizade não pode se transformar em um peso.
    Bjux

    ResponderExcluir
  10. Bia, querida, obrigada por vir aqui partilhar, neste espaço, sua opinião sobre o post, e qt ao que vc falou, infelizmente a imposição, o ter, muitas vezes, aprisiona.E algumas pessoas, realmente, não entendem, ou nem querem entender.

    **Qt ao seu post,no OLHAR, achei a metáfora interessantíssima, e agora consigo entender melhor o que ainda estava obscuro pra mim.
    Beijos

    __________________________________


    LUNA, confesso que nunca ousei a me opor a esta frase, até por receio das pessoas não entenderem que eu me referia, apenas, ao mau uso que se fazem com esta frase. Porque este livro é uma obra estupenda!
    Estou surpresa e feliz que que pude abrir esta discussão, e tb compreender o que as pessoas pensam sobre.

    Beijos
    ________________________

    Wanderley,
    Obrigada pela visita, amizade, como todas as demais relações precisam ser livres para serem verdadeias, não é mesmo?
    BJs

    ResponderExcluir
  11. DENISE:
    Obrigada pela visita.

    LARA:
    Que coisa mais linda o que vc escreveu, deu até vontade de conhecer Camões, literatura é assim, né? Uma coisa que puxa a outra e não pára mais.
    Sim, Lara, amar dever se fazer por liberdade, do contrário é outra coisa, ou, talvez, um amor adoecido. Tb gostei dessa exploração que vc fez com os as palavras cativar e eternamente.
    Sua visita, aqui, me deixa muita envaidecida.
    Beijos

    Nana Andrade

    8 de setembro de 2011 21:07

    ResponderExcluir
  12. Querida Nana...

    Levada a frase ao pé da letra, buscando a etimologia das palavras e o peso sígnico que elas tem, sim, é um equívoco! Como posso sobrepor o outro a mim ou prendê-lo como se ele fosse unicamente meu?

    Mas, levando para um ponto de vista subjetivo, emocional e psicologicamente de senso comum, veremos que as razões que levaram a raposa a dizer essa frase segue um rumo dicotomizado do etimológico e racional. É claro que isso é apenas um ponto de vista meu.
    Sou responsável pelo o que cativo, porque, se eu digo amar alguém eu tenho que prová-lo, palavras cujo falte a corporeificação do exemplo, como sugere Freire no ensino, de nada valem. Sou responsável por aqueles que amo, assim como minha mãe e meu pai que me amam são por mim. Sou responsável pelo o que amo, porque sabido a pessoa desse sentimento, não é justo que eu a abandone depois como se ele nunca tivesse existido.
    E, sobre o eternamente, eu parto para preceitos bíblicos: "Amai ao teu próximo como a si mesmo!" Não é porque o outro não se sente cativado, que nós na tentativa de cativar vamos deixa de ser responsáveis, não no sentido de prisão, mas no sentido de cuidar, proteger... Sendo livre!

    Eu me torno eternamente responsável pelo o que cativo, porque quando cativada emocionalmente, aquela pessoa passa a precisar de mim, da minha presença, porque assim se sente feliz.

    Parabéns pelo post!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Jayne,

    Pra mim é sempre uma honra ter vc neste espaço. Fico ainda mais feliz por este comentário sincero, franco e tão cheio de vc.

    Gostei muito do que escreveu aqui, acredito que seja importante que que cada um se responsabilize por aquilo que cativa, desde que o faça livremente e por amor.

    Eu, particularmente, gosto de pensar, como escrevi acima, que o Pequeno Príncipe voltou porque gosta da flor, e, por gostar, se sentia responsável...

    Meu grande incômodo é, na verdade, sobre o mal uso que se faz com esta frase...

    Beijos

    Nana

    ResponderExcluir
  14. Nana!!!

    Você é mesmo uma querida!

    Passo aqui hoje apenas para dizer que simplesmente adoro seus comentários lá no meu OLHAR...

    E você disse tudo e fico muito feliz: O OLHAR é sinal de liberdade...é o reflexo de uma mulher que tem 42 anos de vida, recheda de histórias, amores,desamores,paixões,sonhos, fantasias, alegrias, tristezas, decepções e muita, mas muita graça em viver!E esta mulher ganhou merecidamente seu espaço nesta vida, precisou exigir o respeito de uns tantos, e não há o que pague a ela a LIBERDADE que conquistou em todos os sentidos...ela paga um alto preço por isto...mas é FELIZ e vive em PAZ!!!Esta mulher não tem vergonha de viver e ser feliz!!

    E esta mulher sou eu! Meu blog SOU EU!!!

    Beijos minha querida e um lindo final de domingo!

    Bia

    ResponderExcluir
  15. Entendendo que o que cativo é o sentimento e não a pessoa, realmente sou eternamente responsável..

    Me parece que cativei o carinho da Bia, uma blogueira fantástica, e me sinto responsável por este carinho, deste modo, se um dia, por quaisquer motivos, deixar de ler e comentar o Blog dela, por ser responsável vou ter todo cuidado de me afastar, de tal modo que ela entenderá e respeitará e assim o carinho, provavelmente, se manterá eterno.

    Sim, neste sentido, sou eternamente responsável por aquilo que cativo,


    Grata pela visita e carinho da Bia!
    Nana Andrade

    ResponderExcluir
  16. Nana querida!

    Que lindo o que escreveu acima!
    Sim...sabe...neste mundo dos blogs há muitas pessoas, mas é interessante que nos identificamos com algumas ...e você é uma delas!

    Mais uma vez agradeço seu último comentário, pois com ele e todos os outros eu sempre aprendo algo mais...obrigada!

    E...assim como te disse que meu blog é LIBERDADE, ele é liberdade de IR e VIR também...e se um dia você se afastar, entenderei que era sua hora...e o carinho continuará o mesmo!

    Somos livres!! Para IR e VIR !

    um beijo em seu coração!

    Bia

    ResponderExcluir
  17. Passando para ver se havia alguma novidade por aqui e aproveito para deixar um beijo e o desejo que tenha uma linda semana!

    Bia

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...