Páginas

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Eu posso errar.

Todos nós muitas vezes nos deparamos com situações em que achamos que erramos. Por vezes, sentimos mal por isso. A vontade é de voltar atrás e ter a possibilidade de fazer de novo e corrigir os erros.

Neste post, e espero em nenhum outro, não tenho a intenção de questionar o mérito de erro algum. O assunto é outro. Quando erramos, amigos, religiosos e até profissionais trabalham com a ideia de que é preciso aceitar o erro para ultrapassá-lo.  E faz sentido.

Mas aceitar o erro, como algo estranho a nós mesmos ou à nossa intenção, parece eximir-nos de um direito que temos. Aceitar o erro é, praticamente, uma maneira de livrar-se da culpa. Mas sabemos que enquanto a culpa permanece a aceitação fica comprometida.

Assim, nesta reflexão, que não tem como objetivo ignorar outras maneiras de lidar com o erro, sugerimos:
Olhe-se no espelho, diga a si mesma: eu posso errar.

Ver a possibilidade de errar como um direito não nos dá necessariamente o direito de sair cometendo todos atos que julgamos errado. Mas, dá-nos sim o direito de entendermos nossa finitude, nossa pequenez. Eu sei que posso errar. E nisto está minha humildade.

Eu não quero errar, mas eu posso. Assim digo a mim todos os dias quando levanto. Olho para mim e digo: ei, você pode errar. Daí, é muito provável que numa conversa eu não julgue que minhas ideias estejam mais corretas que as do demais. Nem vou insistir em criar palavras difíceis ou falar mais alto. Não vou sequer jogar na cara do outro o meu título de estudo para impor a minha grandeza e meu conhecimento.

Eu posso errar, então aceito tranquilamente que eu possa estar enganada.

Eu posso errar. Então não me envergonharei diante dos meus colegas tão estudados. Eu posso errar, por isso, da mesma forma, entre meus colegas de Facebook ou de festas, não vou me diminuir ou engrandecer para fazer valer uma ideia.

Eu posso errar, por isso ainda àqueles que esperam  (ou que eu acredito que eles esperam) que eu seja sempre um bom exemplo, eu não irei me podar.

O medo de errar é muitas vezes o medo do que o outro vai pensar. Ou o medo do que o outro julga e determina como certo. Assim, às vezes, errar (mesmo enquanto uma tentativa de acertar) é um elemento do outro que nós tomamos como nosso.

Mas, se eu penso que posso errar, não fará muita diferença que este seja uma questão de valor meu ou do outro. Eu posso errar.

Mesmo querendo acertar todos os dias eu sei do meu direito de errar. É por isso que não terei medo de dizer o que penso, de escrever o que sinto e acredito, de fazer o que julgo bem para mim. E em tudo isso eu posso errar. Assim, não perderei tempo preparando a defesa quando me apontarem o erro. Nem mesmo vou deixar de arriscar por medo de errar. Porque eu posso errar, vou viver. E espero acertar!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...