Páginas

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Não me venha falar de Deus, se seu coração está cheio de ódio


Faça-me um favor,
não me venha falar de Deus se você só tem raiva no seu coração,
se não sabe perdoar,
nem tratar com amor as pessoas que não pensam como você,
Desculpa,
mas não gosto de hipocrisia.


domingo, 15 de novembro de 2015

Juventude e maturidade


Geralmente toda mulher que está próximo (ou passou) dos trinta anos se olha no espelho mais confiante e ao mesmo tempo mais indecisa que quando tinha 15, 18 anos.

A confiança advém do sentir-se mais bonita ou, pelo menos, na aceitação de si mesma, bem como na capacidade de direcionar seus impulsos e manias para resultados mais coerentes e produtivos.

A indecisão é o fruto da maturidade. Quando se tem 15, 18 anos o futuro parece muito distante, os riscos fazem parte e as certezas imperam. As experiências advindas dos fracassos, das decepções, das surpresas e das relações ensinam que a prudência pode ser uma aliada para uma vida mais saudável; e o tempo reforça a noção de finitude, daí que nenhuma decisão não é mais tomada como opção segura. O risco continua a fazer parte, as escolhas também; o que muda é a concepção e a gestão de tudo isso.

Portanto, conhecimento sem experiência não converge com o processo de maturidade.

Pensando nisso selecionamos 6 conselhos que uma mulher de 30 diria a si mesma aos 15.

Escute.

A cada decisão que considere importante, escute alguém mais velho de preferência duas ou três pessoas que não tenham a mesma opinião. Elas não devem decidir por você, mas podem abrir caminho para reflexão.

Você pode dizer não. 

Para fazer parte de um grupo ou para parecer "cool" muitos adolescentes e jovens cometem atos que os façam parecer mais descolados. E eles vão mesmo acreditar que serão. Terão vergonha se seu pensamento,  comportamento ou aparência não se adequam ao que outro espera.

Acredita na sua beleza. 

Não se compare a ninguém, outras pessoas irão diminuir sua beleza para engrandecer a delas próprias. Vista o que você sentir bem e peça opinião apenas de pessoas que você realmente confie. Dê a elas liberdade para opinar positiva ou negativamente, mas não tome a decisão delas como sua. Acredite, a beleza vem mesmo de um olhar sincero e cheio de brilho, de um sorriso verdadeiro, seu aspecto físico pode ser realçado por um profissional, sua beleza interior não.

Faça algum trabalho voluntário ou caridade. 

Um trabalho voluntário vai te tirar do seu centro, colocar-se no lugar dos outros e ajudá-los é uma escola de humanidade. E acredite, se você não aprendeu isto é provável que chegue à maturidade mais infantil infeliz que era aos seus rebeldes e incompreensíveis 15.

Liberdade tem preço.

Não, não estou a falar de consequências morais ou éticas ainda. Para ser mais realista digo uma frase que ouvi quando ainda tinha 15 anos e sempre me fez eco: se você quer liberdade tem pagar e ela custa caro. Portanto, arrume um trabalho. O trabalho vai proporcionar seus gastos com roupas, sapatos, viagens, mas também as tuas contas básicas. O trabalho é a parte responsável de sua liberdade. E cuidado, você será tentado a acreditar que um "baseado", o não ter hora para chegar em casa, as bebidas alcoólicas, e qualquer outra coisa alternativa é sinônimo de liberdade.

Não dê as costas a quem te ama. 

Quando somos jovens é comum termos muitos amigos ou um grupo em que somos bem vindos. A vida vai selecionando e afunilando. Você, aos trinta, vai perceber que perdeu tempo demais com gente e coisas que não valiam assim tanto a pena. E não é possível voltar atrás.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Tolerância: qual o limite?


Há algum tempo eu venho observando a mim mesma, e hoje me dou conta do quanto intolerante eu estou me tornando. 
Eu já critiquei muitas pessoas pela intolerância. O Facebook é a evidência da intolerância seja ela política, racial, artística ou ideológica. Ninguém tolera ninguém.  

No Brasil, a política mexe muito com a emoção dos brasileiros. Moro no exterior, tenho vários amigos de diferentes nacionalidades, e nunca vi nenhuma manifestação pessoal sobre política como no Brasil. Claro, há manifestações políticas em todo mundo. Mas estou a falar de situações corriqueiras. A cada eleição, e hoje mesmo que não seja ano de eleição, as pessoas estão brigando por política. É o nosso assunto a cada refeição, a cada encontro com os amigos, a cada publicação nas redes sociais. Um país similar seria a Itália. Mas ainda muito longe do que vejo no Brasil.

A intolerância racial e étnica já não é problema só no Brasil, este talvez seja mais forte em países europeus. O Brasil não fica atrás, mas de certo não chega perto do que presenciamos e vimos Europa afora.

Entretanto, não se trata de uma questão de quem é mais intolerante, esta discussão desvia o foco e nos torna ainda mais intolerante. 

Hoje me dei conta do quanto eu também estou intolerante. Intolerante com a própria intolerância. 
Deixei de ir a um estabelecimento comercial porque uma funcionária foi intolerante a uma minoria, que no caso não me dizia respeito, mas ainda assim tomei as dores. 

Afastei-me de pessoas que foram intolerantes em suas manifestações políticas. Evitei pessoas que foram intolerantes com o caso dos refugiados sírios. Fui igualmente intolerante com pessoas que criticaram os outros por trás.

O fato é que percebi que não há ninguém perfeito. E afastar das pessoas porque elas se mostram intolerantes com causas que você apoia, defende ou simpatiza não as resolve. Assim, eu também estava sendo intolerante.

Acredito que temos que tolerar até mesmo a intolerância.

Até porque não é apenas nossos argumentos que afetam o mundo, muito mais que isso é a nossa posição, nosso comportamento e exemplo.

Também nós seremos, cedo ou tarde, motivo de intolerância para outros, porque estamos todos sujeitos aos erros e desvios; e esperemos que os outros nos tolerem. A questão de tolerância e intolerância só vai mudar quando as diferenças forem respeitadas. Respeitadas em todos os sentidos.

Cada um de nós temos nossas razões e, talvez, o que nos falta para sermos mais tolerantes é justamente um exemplo, uma postura diferente. Virar as costas não resolve o problema da intolerância, pelo contrário, divide-nos, torna-nos extremistas e ainda mais intolerantes. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...